Total de visualizações de página

13 de out de 2011

5 de jul de 2011

6 de jun de 2011

30 de mai de 2011

falCaTrUa
PERCEBA
falCaTrUa
DENUNCIE
falCaTrUa

ENTENDA
falCaTrUa
ESCUTE
falCaTrUa

10 de mai de 2011

20 de abr de 2011

Studiobar 16 abril

Debut de "Pedras Rolando" &"Eu Vou pra Você"







21 de mar de 2011

28 de fev de 2011

Falcatrua dois mil e onze

Urbano, como tem que ser

Bernardo Biagioni


Urbano. Houve um tempo em que era negativo se assumir como um ser.. urbano. Estresse, trânsito, hiperatividade e o Caos. Efeito estufa, poluição sonora, poluição visual, rios e canaletas no asfalto transbordando de água em cada gota que rompia o céu. Medo e delírio. Noites e noites dormindo a base de ansiolíticos, analgésicos que não curam a dor do amor, drogas rápidas e fugazes que representam o doce acalanto do barulho do silêncio. Houve um tempo em que era difícil viver na cidade.

Um tempo distante, bem distante.

Sol. Assim como faz a chuva, anos e anos limparam o pedaço de céu que sobe por entre os prédios antigos de Belo Horizonte, limpou do tempo o Cinza, retocou o azul, deixou mais colorido o muro do estúdio Parafernália, no bairro Nova Granada, onde a banda Falcatrua ensaia há quase dez anos. A tinta da faixada escorreu. Antes tinha o nome de uma escolinha infantil. Hoje sobrou apenas um arco-iris de cores desfeitas.

No lugar do quadro negro da sala-de-estar, agora tem uma pintura colorida do mutante Arnaldo Baptista.

Parece até a transformação da banda. Parece até a metamorfose de Kafka. Talvez a maior falcatrua do Falcatrua em dez anos de estrada tenha sido a busca incessante por mudanças. É como um broto de flor que vai tomando formas conforme a chuva goteja as gotas certas durante cada uma das primaveras. Falcatrua nasceu no circo, com o disco Álbum de Família, cresceu na estrada, cruzando o brasil com o (álbum) Pau de Arara Espacial, e hoje, depois de muito Gás, parece estar chegando em algum lugar. No Urbano. Na urbanização. Na evolução, enfim.

“Primeiro eles construíram a estrada, depois eles construíram a cidade”, canta Arcade Fire pelos alto-falantes altos do Parafernália.

A urbanização do Falcatrua não é a mesma do passado. Não tem estresse, não tem caos e não tem medo. Hiperatividade e delírio sim. Isso sempre vai ter. Basta ouvir a música de trabalho Urbano para sentir isso. Por merecer, em seguida, prova que se urbanizar não é nada negativo. Urbanizar, hoje, é fazer parte de uma teia de laços que colocam o homem para frente, adiante, além do que se vê pelas duas faixas amareladas que serpenteiam a estrada.

Urbanizar é ganhar cor, formas e traços. Urbanizar é crescer. É ser o que é.

Não é o Falcatrua de antigamente. Primeiro porque estamos em 2011 e o passado... bem, já passou. Segundo porque a formação está mais fresca e firme do que nunca. André Miglio (vocal) e Danilo Guimarães (baixo) hoje dividem o palco com Luis Lopes (bateria) e Leozinho Lachini (guitarra), parceiro das antigas. “Sentimos que essa é a hora do Falcatrua”, afirma Danilo, trocando Arcade Fire por Franz Ferdinand. “É um amadurecimento, um crescimento continuo que vem de anos. Somos mais Falcatrua do que nunca”, completa André.

A produção de Chico Neves (Los Hermanos, Rappa, Arnaldo Antunes) e a mixagem de Chet Blake (Tom Waits), nos Estados Unidos, completaram o time. Nos últimos meses, a banda Falcatrua ficou em trânsito constante entre Belo Horizonte e o apartamento-estúdio de Chico no Rio de Janeiro, onde Glauco Nastácia e Gleison Túlio (formação antiga) começaram a pincelar as primeiras bases que constituíram as dez faixas que estão no disco.

O resultado é Urbano, pois. Mas urbano para dançar. Primeiro vem a pancada, depois vem o conforto. Primeiro vem o caminho, depois vem o destino. Primeiro vem Falcatrua. E agora teremos mais Falcatrua de novo.

Aumenta o som, abaixa o vidro do carro, e vamos espalhar esse som pela cidade. É urbanizar. É crescer. É exatamente como tem que ser.

14 de fev de 2011

próximo show

                                                          



31 de jan de 2011

Falcatrua participa de tributo

Sábado passado, vários amigos de diversas bandas de BH se reuniram para mais um show/tributo a banda californiana Stone Temple Pilots. Bandas como Mandrix, 9Ora, Nabor e o Bando, Tianastácia, The Fritz, No Voice estiveram presentes....Danilo, Leozinho e Luis Lopes também:



fotos: Ana Lúcia Campos

18 de jan de 2011